Fogo toma conta do Museu Nacional

 

    "Sabemos que não temos mais nada: nem paredes, nem salas, nem acervos, nem livros, pois nossa biblioteca, a mais importante da América Latina em antropologia, queimou-se toda."

    Leia o texto na íntegra clicando aqui.


 

entrevista acsl e ep

 

    Os professores Antonio Carlos de Souza Lima e Edmundo Pereira, do PPGAS-MN/UFRJ, concederam entrevista à Pública sobre o incêndio do Museu Nacional.

 

    "Com cerca de 20 milhões de itens, se foi grande parte do registro da história brasileira, ‘‘no que ela tem de brilhante e no que ela tem de cruel’’, resumiu o chefe do Departamento de Antropologia do Museu Nacional, Edmundo Pereira, com quem a Pública conversou. Para ele, entender as coleções do Museu Nacional é entender o Brasil. ‘‘É uma história colonial onde muitos objetos decorrem de processos muito violentos.” Edmundo Pereira fazia a gestão das coleções do museu e começava justamente um momento de digitalização dos materiais do acervo.

 

    No espaço funcionava também a pós-graduação em antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde o professor de etnologia do Museu Nacional/UFRJ Antonio Carlos de Souza Lima estudou e colaborou em pesquisas que foram essenciais para reconhecimento e mapeamento de terras indígenas no Brasil e para o conjunto de ações afirmativas indígenas. O professor, que atuou em diferentes áreas do museu por 38 anos, afirma que as verbas de custeio do Museu Nacional, repassadas pela UFRJ, declinaram brutalmente no último ano com aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do Teto dos Gastos Públicos, mas relata um histórico bem mais longo de falta de investimento público na instituição."

 

Leia na íntegra: https://apublica.org/2018/09/falar-do-museu-nacional-e-falar-dos-povos-indigenas-da-historia-do-brasil/

 

 

nota da reitoria

 

    

    "A respeito de informações que especulam a desvinculação entre o Museu Nacional e a UFRJ, a Universidade informa à sociedade:

 

    Qualquer medida a fim de retirar da UFRJ o Museu Nacional representaria ato arbitrário e autoritário contra a autonomia universitária e a comunidade científica do país. O Museu Nacional não é uma instituição dedicada exclusivamente à guarda de acervo. Além da guarda dessa memória, da cultura do país e do mundo, ali se produz conhecimento, ciência de ponta reconhecida pela Capes com a nota 7, maior índice de avaliação possível para uma instituição acadêmica no Brasil. O Museu Nacional é uma unidade da UFRJ de ensino, pesquisa e extensão, cuja indissociabilidade é prevista no artigo 207 da Constituição Federal. O corpo altamente qualificado de docentes, pesquisadores, estudantes e servidores técnico-administrativos em educação do Museu jamais poderia se submeter a uma Organização Social ou qualquer outra instituição que não seja a UFRJ."

 

Publicada em: https://ufrj.br/noticia/2018/09/07/museu-nacional-e-ufrj-sao-indissociaveis

 

 

    Leia abaixo a nota emitida pelo Museu Nacional à imprensa no dia 04/09/18.

Nota do MN imprensa dia 4 set

 

mesa redonda Os partidos polticos nas eleies 2018

 

    A Editora UFRJ convida para a mesa-redonda "Os partidos políticos nas eleições 2018" na próxima quinta-feira, 30 de agosto às 17h no IFCS, com a presença de Wanderley Guilherme dos Santos (IESP), Ivo Coser (UFRJ) e Michel Misse (UFRJ). Na ocasião haverá o lançamento do livro "A difusão parlamentar do sistema partidário: exposição do caso brasileiro", de Wanderley Guilherme dos Santos.

 

Local
Instituto de Filosofia e Ciências Sociais - IFCS/UFRJ.
Dia 30/08, às 17h. Sala Evaristo de Moraes FIlho (109) Térreo.

Subcategorias

UFRJ Biblioteca Francisca Keller - PPGAS/MN/UFRJ
Desenvolvido por: TIC/UFRJ